Mente e coração

O que será que determina nossas vitórias, conquistas e sucesso? O quanto nos esforçamos fisicamente? O quanto dedicamos nosso tempo, planejamento, inteligência e determinação? Ou será nossa mente, nossa tranquilidade no momento da ação, nossa atitude perante o obstáculo? Ou ainda: seria nosso coração, nosso sentimento puro, paixão, alma e garra, nosso bahva?
Eu hoje aprendi um misto de todas essas lições na rocha. 
CENÁRIO 1.
Um dia chuvoso, Ivoti com uma cachoeira no setor 3. 
Mal humorada, introspectiva e até mimada. Uma Alessandra cheia de defeitos e venenos da mente, um lado B insistente e persistente como nunca. 
CENÁRIO 2.
Muita felicidade. Uma conquista minha, de estudo, de amizade, de persistência. Mesmo com o doutorado, resolvi me dedicar a um sonho: ser professora de Yoga. Estudo, viagens, 1 ano de busca e um longo caminho pela frente. Minha primeira turma semana que vem!!! E mais: em um espaço que sempre sonhei: lindo, com pessoas bonitas e legais, com uma energia incrível e com um mestre generoso e muito competente.
CENÁRIO 1 (continuação)
Visualizei uma linda linha. Tinha bastante gente tentando, então acompanhei os betas e estudei os movimentos. Era uma linha difícil, bem mais do que estou acostumada. Mesmo um pouco molhada eu acreditei. Esperei a tarde toda minha vez. O que aconteceu na hora? 
A mente falhou. E o coração fraquejou.
Justamente eu, uma professora de yôga. 
Deixei por segundos minha mente não ser suficiente forte e determinada a ir, simplesmente. Cadê a vontade e determinação? Cadê a paixão? Cadê a respiração consciente e a gana de ir atrás, de se superar, de vencer custe o que custar?
Desci extremamente frustrada e envergonhada até. Sim, eu tenho disso. O movimento fácil, mas o medo de cair e a vontade 'frouxa' me travaram. 
Essas horas cair e cair, abstrair o redor e até mesmo gritar. Cair, voltar, gritar de novo. Ir. 
Mas fui dormir então pensando sem parar na via, em voltar e me modificar, agir de diferente, ter uma outra chance. Saímos para um pub e entre uma Leff e outra eu exageradamente lembrava da via.  Eu merecia e sabia que conseguiria dessa vez. 
Mas não. 
Choveu a noite toda. E a cachoeira do dia anterior com certeza teria atingido a via. Seria um castigo? Ou seria um aprendizado: aja com intensidade da próxima vez, com gana, com vontade...sem deixar pra depois. E ainda: aja com humildade e com coração, a montanha está lá, mas não pra sua vontade, ela requer dedicação, respeito, reverência. MEREÇA ESTAR LÁ. 
CENÁRIO 2.
Um longo caminho. De muito estudo, sei que nada será fácil, terei muito a aprender antes de realmente ensinar. Será um troca, espero conseguir estar a altura. Mas, me sinto extremamente orgulhosa de estar trilhando este caminho, de ter perseguido com força, coragem, dedicação, de não ter desistido, mesmo com as dificuldades, e de agora estar colhendo já alguns frutos. Professora de Yôga, sim senhora. 



P.S. Mouse, I'll be back :-)

Comentários

Postagens mais visitadas