Savoring life

Muitos dias de escalada se passaram e o jeito foi então voltar a rotina normal de afazeres e atividades. Não que isso não seja prazeroso, por supuesto, mas vez ou outra nos pegamos sonhando com alguns pegues e alguns lugares específicos, aquela via, aquele tilintar dos equipamentos, o magnésio e mesmo o sol nos desperta saudade. A correria acalmou ontem, e a semana passada de trabalho foi de matar. Mesmo assim sempre tento tirar algum dia, alguma hora, alguns momentos, para mim e para quem amo. Uma horinha de yôga três vezes por semana, umas horinhas de treino no murinho, ler, bordar,fazer filtro dos sonhos, arrumar a casa, pedalar pela praia na volta da aula, namorar, brincar com os cachorros, ver filmes. Mesmo assim, há momentos que não consigo respirar de preocupação e cansaço, e são nessas horas que me imagino acordando de frente para um lago límpido e fresco, com uma enorme montanha, em um ambiente azul e silencioso, em que passarei bons dias de escalada, escalando, mateando, caminhando, conversando. Ou também posso calmamente aproveitar e saborear o que estou vivendo, tentando realmente experienciar cada parte e cada aspecto do presente momento. Que mania que temos de sempre imaginar que teremos dias melhores, não é mesmo? Por que não simplesmente realizar uma coisa de cada vez, aproveitar os dias de trabalho, o convívio com os colegas, os dias de descanso em casa, o conforto de se estar em um lugar só? Ou ainda por que não nos concentramos verdadeiramente no que estamos fazendo, sem pensar o que vai acontecer, o que pode melhorar ou piorar? Vivendo o presente, acredito que paramos de sofrer um pouco pelo que ainda não aconteceu ou o que queremos que aconteça e podemos tentar saborear lentamente todas as pequenas coisas que vivemos no dia a dia. Sem se preocupar tanto ou sem pensar tanto no antes e no depois. Estar aqui e agora.
A mania que eu tenho de estar sempre planejando, prevendo, sofrendo ou me alegrando pelo que está por vir, me fez ler muito essa semana sobre isso e ainda refletir sobre o quanto precisamos tentar nos concentrar nos pequenos movimentos de nosso dia. Seja ele simples ou não, seja ele alegre, trabalhoso, longo, ocupado, ocioso, com certeza ele nos trará uma gama de emoções e aprendizados e estão aí para nos darmos conta o maravilhoso milagre de se estar vivo. O feliz é por nossa conta. 
Bons dias a todos :)

Many people are alive but don’t touch the miracle of being alive (Thich Nhat Hanh)
...voltando pedalando da aula, pela praia, nesse gostoso dia a dia, Cassino, RS. 
Leituras:




Comentários

Vanessa Staldoni disse…
Amiga, estou lendo um livro exatamente sobre o que tu escreveste: O Poder do Agora de Eckhart Tolle. Fala sobre a importância de não nos preocuparmos tanto com o passado e o futuro mas sim viver intensamente o presente! Se puder, dá uma olhada! Beijos! Saudades!

Postagens mais visitadas