Historinhas de Carnaval 2010

Já estava na hora de eu voltar pra terrinha. Desde final de maio no Rio Grande do Sul minha mente e coração estavam inquietos para voltar pra ilha. Eu não via a hora de ter uma folguinha no doutorado pra fugir para aquelas praias, meu surf, meu morro da cruz, meus amigos...
O carnaval chegou e eu pensei, é agora, liberdade, liberdade, abre as asas sobre nós! Da faculdade mesmo dei um jeito de comprar a passagem, rodoviária lotada mas eu não tava nem aí, só pensava que, finalmente eu iria rever todo mundo, buscar minha prancha, respirar um pouco e cair no samba, é claro.
Saí de Pelotas na sexta feira mesmo, chegando no sábado bem tarde por conta do trânsito. A Lu me pegou na rodoviária e fomos direto para o centro comprar nossas fantasias de carnaval. O tempo na ilha estava tudo de bom, deu pra curtir praia, surf, festa com as amigas, bloco dos sujos, festa na casa da Lu e mais um monte de coisa.
Depois das festas já estava na minha cabeça que eu precisava escalar. Sabia que ia ser duro conciliar carnaval com a escalada, mas nem pensar em não rever Eleandrinho e Jojô e não dar uma passada no morro ou na Barra. Uma pena eu não ter visto o resto da galera, tentei contato com o Ricardo, o João e o Ervilha, mas como foi tudo muito rápido, não rolou.
Chegamos no Morro da Cruz perto do meio dia, não sem antes dar aquela parada já clássica para as guloseimas. Foi como se eu nunca tivesse ido embora, tudo tão familiar, tudo tão bom. Como de costume o Eleandro já quis aquecer numa via que não é fácil nem de longe, a Leviatã. Se eu bem me lembro ela é um 7a, linda e longa, acho que uma das mais altas se não a mais alta do Morro. Ela tem um crux já na saída e eu fiquei surpresa porque não conseguia fazer as passadas, mesmo as que antes fazia com facilidade! Cheguei a pensar, caráleos, como é que eu fazia isso? Hahaha. Mas foi diversão garantida, o Eleandro ainda fez outras vias e eu guiei dois lances de uma outra fácil, enfim, valeu a parceria, valeu por voltar pra casa.
Depois de aproveitar tudo feito uma louca fui embora de alma lavada, recomposta, refeita, feliz! Não tem nada como a casa da gente, nada como estar entre os seus.  Apesar de a minha família morar no Rio Grande do Sul, Florianópolis foi onde passei os melhores anos da minha vida, foi a ilha que me fez ser quem sou, meus amores, meus amigos, meus sonhos, meus lugares, tudo lá. Mas tudo bem ficar um tempo longe, isso foi o mais legal, nada de nostalgia, saudade ruim. Com a certeza de estar dando um up na carreira e nada mais, é gostoso ir atrás também das metas e objetivos e saber que sua casa está sempre lá, te esperando.
E viva o Carnaval!



feliz de estar de volta, Morro da Cruz

a sapata já andava esquecida, coitada...

rapelentos...

parceria "de certeza" (faltou a Jojô, minha melhor parceira, que por enquanto tem que ficar em casa cuidando do Matheus)

fazendo graça antes de costurar, o degraceado

(Ic) vamos lá então, (ic) hehehe

rindo à toa

 do lado direito depois desse lance de boulder tem a via das abelhas que o eleandro adora

incrível como a trilha para o morro está fechada de mato, talvez a galera não tem aparecido muito por causa das chuvas...pena.

e na volta, antes de pular o famoso murinho, esse visual maravilhoso da ilha...

Bem, agora então,bóra surfar

Adoro essa prancha

Adoro essa polaca

não sou eu, né. É um menino que tava destruindo nas marolas.

rabeando todo mundo...

mas o cara podia, fazer o quê?

Ainda deu pra matar a saudades do mineirinho!!! E ainda tirar foto com o Carlos, adoro. O menino ampliou mesmo os negócios, fiquei muito feliz. Com site e tudo: http://www.uaideminas.com.br/

Ah, e deu pra cair no samba também. Bar Açores, Santo Antônio de Lisboa

Samba de roda e uma Alessandra feliz

Afe Maria Hare Baba

Na Temakeria da Lagoa com as meninas

De diaba pra matar, frente...

e verso :)

Amo essa grega aí!

depois do banho de piscina

e já na capa da gaita hehehe

Êee, beleza!

E para recobrar as energias, nada melhor que matar a saudade da Aloha, a melhor pizzaria no sul da ilha, Armação, a preferida quando eu morava na Lagoa do Peri

Dando um abraço apertado na Lílian, da pizzaria. Saudade!

Depois, foi só ir resgatar a prancha pra ir embora. Missão quase impossível I....


 Mas eu consegui!!!!!!!!!!Ondas do Rio Grande, me aguardem!

Pronto, Minnie, agora chega. Hora de desfazer sua identidade secreta e se transformar de novo em Ale, a doutoranda ajuizada (é ruim, hein hahaha)

Comentários

Gil!-) disse…
Queria ta perto, pra pode te dah um abraco apertado e compartilha esta alegria de pode escala e senti na pele como eh bom vive, te amigos e se amado...
Seja feliz...
To te esperando pruma cordada, pruma gelada, prum chima e prum bom papo...

Bj!
guta disse…
mesma sapatilha que euzinho aqui essa tua five ten :)
ah, sou aquele da inauguração do boulder de porto alegre!
abraço
Bea disse…
tu é muito queridinha!! temos de combinar nossa ida a praia grande. já voltei do neblina. foi um barato a expedição!!

Postagens mais visitadas