Lagoa Mirim, Capilla

Por mim, e por vós, e por mais aquilo

que está onde as outras coisas nunca estão,

deixo o mar bravo e o céu tranqüilo:

quero solidão.



Meu caminho é sem marcos nem paisagens.

E como o conheces? - me perguntarão.

- Por não ter palavras, por não ter imagens.

Nenhum inimigo e nenhum irmão.



Que procuras? Tudo. Que desejas? - Nada.

Viajo sozinha com o meu coração.

Não ando perdida, mas desencontrada.

Levo o meu rumo na minha mão.



A memória voou da minha fronte.

Voou meu amor, minha imaginação...

Talvez eu morra antes do horizonte.

Memória, amor e o resto onde estarão?



Deixo aqui meu corpo, entre o sol e a terra.

(Beijo-te, corpo meu, todo desilusão!

Estandarte triste de uma estranha guerra...)

Quero solidão.



Cecília Meireles



E as flores são como são, curvam-se mas não entristecem. Paisagem no vento da Lagoa Mirim



eternos amigos, filhos, irmãos. Companheiros estes que levarei para o resto da vida enquanto puder



Pra quê mais?



Esperando o pôr-do-sol, sentada na frente da barraca com a filha



E lá se vão momentos, como o sol, que sempre se vai...



O que esperar mais da vida? O que me reserva? Ando devagar, porque já tive pressa...



Vento minuano, parecendo vento patagônico. Levantando acampamento de manhã cedinho



Capilla. Agora, capela. De frente para a Lagoa Mirim. Cresci nesses arredores. E ainda cresço



Vidinha essa que é minha...


observando...


Virei carnívora mesmo. Mas com estilo

Comentários

Parofes disse…
Olha essa foto do churrasco me deu orgulho kkkkkkkkkkkkkkk

bjão!

Postagens mais visitadas